domingo, 7 de setembro de 2008

SERÁ QUE A FAMÍLIA RESISTIRÁ A TANTA INOVAÇÃO?

Nas últimas semanas o Programa Fantástico, da Rede Globo, levou ao ar um quadro falando de novos modelos da família moderna. Segundo a reportagem constata-se cada dia que os casais estão se afastando do modelo tradicional e bíblico de união conjugal. De certa forma o que ocorre em nossa sociedade acaba refletindo também na igreja de Deus. O que será que podemos aprender, questionar e confirmar com essa reportagem, que reproduzimos a seguir?

Depois do divórcio, a união estável. E, com a união estável, quem se importa como casamento de papel passado? Falando sobre as mudanças que a família brasileira sofreu nos últimos anos, o Fantástico mostrou que, hoje, o casal moderno conta com a ajuda da tecnologia para manter a relação. Apesar de ainda ser forte a vontade de fazer um casamento durar a vida inteira, hoje, de cada quatro casamentos, um acaba em separação no Brasil.

A família convencional ainda é a maioria. Mas, cada vez mais, surgem novos modelos de família. Uma entrevistada, Nancy Mattos disse: Não, não é que era ruim. Mas a gente sempre chegava à conclusão que quando cada um está na sua casa, o nosso relacionamento fica muito mais leve e mais gostoso. Há quinze anos eles vivem assim: aliança na mão esquerda, rotina de casados, mas em casas separadas.

A repórter Renata Ceribelli perguntou: Por que os filhos separaram as casas de vocês? O marido Francisco Barroso: Porque se você começa muito a entrar no atrito dos ‘meus filhos, dos seus filhos’, ‘Ah, são meus filhos, são seus filhos!’, você acaba prejudicando a relação com ela. E para nunca prejudicar a relação com ela, o que era melhor? O melhor era separar as casas. E namorar. Um dos filhos deixou claro que não queria este tipo de relação para ele.

“Hoje, no Brasil, o casamento e a união estável têm os mesmos direitos. O mesmo patamar, as mesmas garantias. Namorico, de sair uma vez por semana, uma vez ou outra, ficar um dia ou outro, isso não é casamento”, explica o advogado Paulo Lins e Silva. Agora, se a escova de dente já estiver na casa do parceiro... A Constituição de 1988 traz, no artigo 226, a regulamentação do casamento e da união estável. Eles têm os mesmos direitos e garantias. Por isso, morou junto, casou. Apesar de o casamento no civil e união estável terem o mesmo valor perante a lei, na hora de fazer a escolha, o assunto ainda gera muita polêmica dentro das famílias.

Um outro pensamento predominante e de não casar se não morar junto antes, para conhecer como é, como vai ser o hábito. Mesmo que algumas pessoas da família não vêem isso de uma forma positiva. Os mais antigos foram enfáticos: Eu acho errado, deve casar. Porque um dia tem filho e o filho vai falar: ‘Mas minha mãe não é casada!’. Hoje em dia tem casamento para todo gosto: casamento no papel, sem papel, morando junto, em casas separadas. Tem até marido e mulher morando em cidades diferentes, mas se vendo todos os dias: graças à tecnologia.

Homens e mulheres estão cada vez mais independentes. Será que um não precisa mais do outro para formar uma família?

Fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL727130-15605,00.html

8 comentários:

Anônimo disse...

Por favor, mande-me teu e-mail para eu poder entrar em contato
meu nome é JOão Paulo
e meu e-mail é : paulistacomorgulho@yahoo.com.br
estarei no aguardo.

Só esta noite, eu li quase todo o teu blog. Parabéns pela sensatez e brilhantismo nas palavras.
estarei aguardando o contato ok?
grande abraço e Feliz sábado irmão!

Marcos Roberto disse...

Olá Virgílio. Meu nome é Marcos Roberto, gostaria de parabenizá-lo pela idéia do artigo, todavia acho que sua conclusão deixou a desejar.
Você poderia ter concluído de maneira a orientar nossos jovens e irmãos a maneira correta e bíblica da união familiar estável, seus fundamentos e sua indissolubilidade. Talvez uma cosmovisão do valor do casamento heterossexual com base nas orientações da Igreja Adventista poderia surtir um efeito positivo.

Um grande abraço.

Virgilio Nascimento disse...

Amigos, inicialmente quero agradecer a todos que lêem e opinam sobre os artigos deste blog. Quero reforçar, especialmente para o amigo Marcos Roberto, que este é um blog de discussão. A despeito de ter minhas opiniões pessoais e as vezes exprimi-las, faz parte de nosso objetivo permitir que as pessoas se manifestem e tirem suas proprias conclusões. Por isso muitas vezes os arigos não seguem a linha de conselhos e orientações diretivas. A idéia é que todos partilhemos nossas opiniões e experiências sobre os assuntos, assim como foi util vc colocar a sua.

Abraço

e grato pela participação.

Virgilio

Pr. Fábio dos Santos disse...

Olá virgílio!
Sou Pastor na Associação Sul Riograndese.
Preciso falar contigo e preciso saber o seu e-mail. Pode enviar para blognistocremos@gmail.com
Um abraço

Mariene Leitão disse...

Parabéns Virgílio pelos seus artigos. São temas pertinentes para os nossos dias e para a igreja. Abraços. Mariene Leitão

eliane disse...

Olá, interessante este tema sobre familia, em especial diante dos modelos que estão sendo apresentados pela midia, com destaque nas novelas onde se misturam mitos com conceitos baseados em mero seculárismo. A familia na sociedade atual apresenta-se bastante comprometida no exércicio dos papeis morais e sociais e espirituais.Esta temática precisa estar sendo discutida em nossas igrejas, com os nossos jovens. Parabéns por esta iniciativa.

Mirella disse...

Olá Virgílio muito bom seu blog. Gostaria muito de entrar em contato com vc, já entrei em contato com o Cenps para obter seu contato também. Espero poder ter o seu retorno para conversarmos melhor.

abçs.

Mirella disse...

Meu email é mirellacdiniz@gmail.com